Como estar firmado no senhor em tempos de prova

Referência: 1 TESSALONICENSES 3:1-13

INTRODUÇÃO

1. Antes de ensinar uma criança a andar, você a ensina a ficar de pé. Paulo era o pai espiritual daqueles irmãos de Tessalônica, mas ele foi forçado a sair da cidade por causa da perseguição. Como ele poderia ajudá-los a ficar firmes em tempos de prova? O que você faz quando alguém que você ama está precisando de ajuda, mas você não pode estar com essa pessoa?
2. Nos dois primeiros capítulos Paulo mostrou como a igreja nasceu e como ele a pastoreou. Agora Paulo vai mostrar como a igreja pode se manter de pé diante de Deus no meio das provas. A palavra chava é (firmado 3:2,13). O pensamento chave está em 3:8.
3. Paulo toma três atitudes práticas para ajudar os crentes a se firmarem no Senhor no meio das provações:

I. PAULO ENVIOU A ELES UM AJUDADOR – V. 1-5

• Quando Paulo, Silas e Timóteo saíram de Tessalônica, eles foram para Beréia, mas com a perseguição, Paulo foi para Atenas sozinho e enviou Timóteo de volta a Tessalônica para ajudar aquele igreja nova na fé a triunfar nas tri bulações. Vários fatores foram involvidos nessa medida:
1. A preocupação de Paulo – v. 1 – O capítulo 2:17-20 descreve o grande amor de Paulo pela igreja e seu profundo desejo de estar com ela. Agora, Paulo acrescenta que não aguenta mais ficar sem enviar a eles uma ajuda. A preocupação com o estado da igreja é como um fardo para Paulo (v. 1).
• Paulo não era apenas um evangelista, ele era também um pastor. Ele não apenas gerava filhos, ele cuidava deles. Os novos crentes precisavam ser ensinados e confirmados na fé.
• Paulo não era um mercenário, mas um pastor de almas. Paulo prefere o bem dos outros do que o seu próprio. A palavra “sozinho” no v. 1 significa “abandonado”. Em vez de abandonar as ovelhas como um pastor mercenário, Paulo prefere sofrer a solidão e enviar ajuda à igreja de Tessalônica. Ele pensa mais na igreja do que em si mesmo (Fp 1:22-26; 2 Co 12:15).
2. O caráter de Timóteo – v. 2
• Timóteo era um obreiro crente – “irmão nosso” – A igreja evangélica vive hoje uma grande crise de liderança pastoral. Há pastores não convertidos, não vocacionados, mal resolvidos emocionalmente, doentes emocionalmente, preguiçosos, avarentos, apáticos e em pecado. Timóteo tinha um caráter provado (Fp 2:22). Nós não podemos conduzir o povo de Deus a uma experiência profunda com Deus se nós não somos verdadeiros cristãos.
• Timóteo tinha mente de servo – “ministro (diáconos) de Deus” – Timóteo não pensava em si, mas em cuidar dos interesses do povo de Cristo (Fp 2:20-22). O ministério para Timóteo não era uma plataforma de prestígio pessoal, mas um instrumento para servir ao povo de Deus. Timóteo era um homem que trabalhava em equipe. Ele estava a serviço de Deus e dos irmãos. Ele se colocava debaixo da autoridade de Paulo. Ele era submisso, prestativo, pronto, fiel.
• Timóteo era um pastor de almas – “para em benefício da vossa fé, confirmar-vos e exortar-vos” – Timóteo era um obreiro que fortalecia e encorajava os novos crentes a ficarem firmes no meio das tribulações. Ele cuidava do povo em tempos difíceis. Ele era um consolador. Ele era um amigo.
3. O conflito da igreja – v. 3-5
• As provações não são acidentes, mas apontamentos de Deus em nossa vida – v. 3-4 – 1) Nós devemos esperar sofrer por amor a Cristo (Fp 1:29); 2) Não devemos estranhar a perseguição, mas considerá-la como parte normal da vida cristã (1 Pe 4:12ss); 3) As perseguições visam o nosso fortalecimento na fé (Jo 16:33; Rm 5:3; 8:35-39; 2 Tm 3:12). Paulo havia alertado os crentes sobre a inevitabilidade das provações (3:3-4)
• As tribulações podem trazer inquietação – v. 3 – Quando a igreja não olha para a vida sob a perspectiva da Palavra de Deus, ela ficava inquieta, perturbada e desanimada quando chega o tempo das tribulações. A palavra “inquiete” = abanar de cauda de um cachorro. Isso veio a significar bajulação. Satanás usa meios para persuadir os crentes a abandonarem a sua fé em Deus nos tempos de provação (3:5-7,10). Devemos resisti-lo firmes na fé (1 Pe 5:8-9). Quando ele tentou Eva no Éden, tentou enfraquecer a sua fé em Deus (Gn 3:1). Como uma serpente ele engana e como leão, ele devora. Ele sempre vai usar o sofrimento, as tribulações para tentar enfraquecer a nossa fé em Deus. A blandícia do diabo é pior do que o seu rugido. A vitória que vence o mundo é a nossa fé (1 Jo 5:4).
• As tribulações se não encaradas na perspectiva de Deus podem trazer grandes prejuízos espirituais – “Temendo que o Tentador vos provasse, e se tornasse inútil o nosso labor”. Muitas pessoas abandonam a fé no meio do espinheiro das provações.

II. PAULO ESCREVEU A ELES UMA CARTA – V. 6-8

1. Notícias que trazem alento – v. 6-8
• Timóteo encontrou Paulo em Corinto e trouxe para ele as boas novas (evangelho) da igreja de Tessalônica, de como ela estava permanecendo firme a despeito das perseguições. Isso trouxe alento e alegria ao coração do apóstolo. Não há maior alegria do que saber que os nossos filhos andam na verdade. O coração do apóstolo está em chamas pelo Senhor e transbordando de amor pelos crentes de Tessalônica.
• A resposta de Paulo às notícias trazidas por Timóteo foi enviar à igreja as duas cartas, inspiradas pelo Espírito Santo.
• A notícia de que os irmãos estão firmados na fé traz alento de vida para o apóstolo Paulo (3:7-8).
• A notícia de que o amor dos irmãos pelo pastor está aceso, traz revigorado ânimo para o apóstolo (3:8). Relacionamentos contam e muito. O que desgasta um obreiro não são os problemas externos, mas a intriga interna.
2. A Palavra de Deus é a melhor ferramenta para estabelecer os novos crentes na fé – 2 Ts 2:15. Paulo demonstra seu grande amor e preocupação pela igreja enviando duas cartas a ela. A preocupação de Paulo não era garantir o conforto ou segurança dos crentes, mas mantê-los firmes na fé através da Palavra. Quando Jesus foi tentado por Satanás, ele usou a Palavra (Mt 4:4). Paulo admoestou os crentes de Éfeso a usarem a espada do Espírito (Ef 6:17) na batalha contra Satanás e suas hostes. A Palavra de Deus é o grande instrumento para a nossa maturidade espiritual e o nosso fortalecimento na fé. Você tem enviado a Palavra de Deus para as pessoas que precisam de conforto?

III. PAULO ORA POR ELES – V. 9-13

• Paulo não pode ir a eles, mas pode orar por eles. A oração não está limitada nem ao tempo nem ao espaço. Você pode fazer mais por uma pessoa de joelhos, orando por ela, do que trabalhando por ela.
• A oração de Paulo tem 3 marcas distintas: 1) É uma oração encharcada de profunda gratidão a Deus – v. 9; 2) É uma oração perseverante – v. 10 a; 3) É uma oração intensa – v. 10b.
• A oração de Paulo abrange os problemas ordinários da vida diária (3:11) – Ele deseja viajar e pede a Deus para abrir o caminho (3:11), pois sabe que Satanás pode barrar o caminho (2:18). Olhava as coisas comuns com olhos espirituais. Você ora pelas coisas ordinárias da vida?
• Paulo orou pela igreja por três motivos específicos:
1. Ele orou para que eles pudessem ter uma fé madura – (3:9-10)
• A nossa fé ainda não é perfeita e precisa de reparos continuamente – A palavra “reparar” é a mesma para consertar as redes. Tapar os buracos. Precisamos remendar as brechas. Havia deficiências na fé daqueles irmãos, como por exemplo a doutrina da segunda vinda. Havia membros da igreja vivendo uma vida desornada e outros desanimados (5:14). Precisamos ser trabalhados continuamente. A fé é como o músculo só se fortalece com exercício. Deus nos testa para provar a nossa fé Exemplo: (Abraão – houve fome e ele falhou ao descer ao Egito. Depois Deus lhe pediu Isaque e ele lho deu). Uma fé que não é testada não pode ser confiável. A oração de Paulo foi atendida (2 Ts 1:3).

2. Ele orou para que eles pudessem ter um amor profundo uns pelos outros – (3:12)
• As provações podem destruir ou fortalecer os laços de amor – Podemos nos tornar egoístas, zangados, amargurados, revoltados ou podemos nos tornar meigos e ternos no cadinho do sofrimento. O mesmo sol que endurece o barro, amolece a cera. Paulo está feliz porque no meio do sofrimento, aqueles irmãos aprenderem a amar mais uns aos outros. (2 Ts 1:3)
• Devemos contruir pontes de amizades e não muralhas de separação na igreja – A igreja é a comunidade do amor, da aceitação, do perdão, da restauração. Seremos conhecidos como discípulos quando tivermos amor uns pelos outros. O amor é a apolética final. Uma igreja sem amor, está nas trevas. Uma igreja sem amor não tem comunhão com Deus nem com os irmãos. Precisamos amar uns aos outros de forma prática.
• As maiores lições sobre o amor são aprendidas na escola do sofrimento – José do Egito sofreu 13 anos as injustiças do ódio de seus irmãos, mas ele nunca nutriu mágoa no coração. Longe disso, amou-os, perdoou-os e tratou deles com compaixão. Os judeus perseguiram Paulo de cidade em cidade, e Paulo continuou amando-os a tal ponto de morrer por eles (Rm 9:1-3). Ilustração: O amor de John Mackay pela esposa que ficou doente mental na lua de mel.

3. Ele orou para que eles pudessem ser santos na presença de Deus até a volta de Jesus – (3:13)
• A segunda vinda de Cristo motiva os crentes a uma vida de santidade – Se Cremos que Jesus vai voltar. Se cremos que ele vai julgar os vivos e os mortos. Se cremos que vamos comparecer perante o seu tribunal. Se cremos que vamos dar conta da nossa vida a ele, precisamos então viver em santidade de vida. Quem aguarda a segunda vinda de Cristo purifica-se a si mesmo (1 Jo 3:3).
• A santidade de vida não é uma formalidade externa, mas uma vida vivida na presença de Deus – A santidade não é medida por gestos, ritos ou cerimônios externas. Ela é medida por uma vida sem culpa na presença de Deus que tudo vê, tudo sonda e tudo conhece. Os fariseus eram meticulosos em ritos externos, mas viviam na impureza. Muitos religiosos serão rejeitados no último dia pela prática da iniquidade.
• Precisamos nos preparar para nos encontrarmos com Deus – O povo de Israel foi confrontado acerca desse preparo (Am 4:12). O Senhor Jesus voltará do céu com os seus santos em glória. Como vamos nos encontrar com ele? Estamos preparados? Estamos vivendo em santidade? Aquele dia será de luz ou de trevas, de alegria ou de pranto, de bem-aventurança eterna ou perdição eterna? O tempo é hoje de nos preparmos. Entregue-se a Cristo. Ele agora pode ser seu advogado. Amanhã será o seu juiz.

CONCLUSÃO

1) A condição espiritual dos outros crentes gera peso no seu coração ao ponto de você fazer sacrifícios pessoais para ajudá-los a crescerem na fé?
2) Você é um crente como Timóteo que tem a mente de um servo e sempre está pronto a abençoar os outros, mesmos sofrendo riscos com isso? Você tem orado pela igreja? Você está preparado para a vinda de Jesus?

Rev. Hernandes Dias Lopes.

Responder

Resposta

Your email address will not be published. Required fields are marked *