Dízimo, uma prática bíblica a ser observada

Há uma enxurrada de comentários tendenciosos e distorcidos circulando as redes sociais, em nossos dias, atacando a doutrina dos dízimos. Acusam os pastores que ensinam essa doutrina de infiéis e aproveitadores. Acusam as igrejas que recebem os dízimos de explorar o povo. Outros, jeitosamente, tentam descaracterizar o dízimo, afirmando que essa prática não tem amparo no Novo Testamento. Tentam limitar o dízimo apenas ao Velho Testamento, afirmando que ele é da lei e não vigente no tempo da graça.

Não subscrevemos os muitos desvios de igrejas que, laboram em erro, ao criarem mecanismos místicos, sincréticos e inescrupulosos para arrecadar dinheiro, vendendo água fluidificada, rosa ungida, toalha suada e até tijolo espiritual. Essas práticas são pagãs e nada tem a ver com ensino bíblico da mordomia dos bens. O fato, porém, de existir desvio de uns, não significa que devemos afrouxar as mãos, no sentido de ensinar tudo quanto a Bíblia fala sobre dízimos e ofertas. Destaco, aqui, alguns pontos para nossa reflexão.

Em primeiro lugar, a prática do dízimo antecede à lei. Aqueles que se recusam ser dizimistas pelo fato de o dízimo ser apenas da lei estão rotundamente equivocados. O dízimo é um princípio espiritual presente entre o povo de Deus desde os tempos mais remotos. Abraão pagou o dízimo a Malquizedeque (Gn 14.20) e Jacó prometeu pagar o dízimo ao Senhor (Gn 28.22), muito antes da lei ser instituída.

Em segundo lugar, a prática do dízimo foi sancionada na lei. O princípio que governava o povo de Deus antes da lei, foi ratificado na lei. Agora, há um preceito claro e uma ordem específica para se trazer todos os dízimos ao Senhor (Lv 27.32). Não entregar o dízimo é transgredir a lei, e a transgressão da lei constitui-se em pecado (1Jo 3.4).

Em terceiro lugar, a prática do dízimo está presente em toda Bíblia. A fidelidade na mordomia dos bens, a entrega fiel dos dízimos e das ofertas, é um ensino claro em toda a Bíblia. Está presente no Pentateuco, os livros da lei; está presente nos livros históricos (Ne 13.11,12), poéticos (Pv 3.9,10) e proféticos (Ml 3.8-10). Também está explicitamente ratificado nos evangelhos (Mt 23.23) e nas epístolas (Hb 7.8). Quanto ao dízimo não podemos subestimá-lo, sua inobservância é um roubo a Deus. Não podemos subtraí-lo, pois a Escritura é clara em dizer que devemos trazer “todos os dízimos”. Não podemos administrá-lo, pois a ordem: “Trazei todos os dízimos à casa do tesouro”.

Em quarto lugar, a prática do dízimo é sancionada por Jesus no Novo Testamento. Os fariseus superestimavam o dízimo, fazendo de sua prática, uma espécie de amuleto. Eram rigorosos em sua observância, mas negligenciam os preceitos mais importantes da lei: a justiça, a misericórdia e a fé. Jesus, deixa claro que devemos observar atentamente a prática dessas virtudes cardeais da fé cristã, sem omitir a entrega dos dízimos (Mt 23.23). Ora, aqueles que usam o argumento de que o dízimo é da lei, e por estarmos debaixo da graça, estamos isentos de observá-lo; da mesma forma, estariam também isentos da justiça, da misericórdia e da fé, porque essas virtudes cardeais, também, são da lei. Só o pensar assim, já seria uma tragédia!

Em quinto lugar, a prática do dízimo é um preceito divino que não pode ser alterado ao longo dos séculos. Muitas igrejas querem adotar os princípios estabelecidos pelo apóstolo Paulo no levantamento da coleta para os pobres da Judéia como substituto para o dízimo. Isso é um equívoco. O texto de 2 Coríntios 8 e 9 trata de uma oferta específica, para uma causa específica. Paulo jamais teve o propósito de que essas orientações fossem um substituto para a prática do dízimo. Há igrejas na Europa e na América do Norte que estabelecem uma cota para cada família para cumprir o orçamento da igreja. Então, por serem endinheirados, reduzem essa contribuição a 5% ou 3% do rendimento. Tem a igreja competência para mudar um preceito divino? Mil vezes não! Importa-nos obedecer a Deus do que aos homens. Permaneçamos fiéis às Escrituras. Sejamos fiéis dizimistas!

28 Comentários

  • jackson Posted 27 de fevereiro de 2013 10:56

    Ótimo esclarecimento.

  • janes ribeiro ramos Posted 3 de março de 2013 21:26

    li seu livro o Deus desconhecido,foi uma bençao pra minha vida e vidas de amigos meus todos gostaram bastante,pena que me furtaram o livro.
    fique na paz.

  • marcos Posted 12 de março de 2013 17:08

    Boa tarde ,mais será que dizimo realmente é a decima parte?Não seriamos livres para uma contribuição espontânea sem percentuais que em muitos casos seria até maior que 10%.
    Para quem gosta veja o que também diz o Rev.e amigo Algustus Nicodemus em dizimo no youtube.
    Minha intenção é só aprender e reverenciar ao amigos e pastores ……Deus cuide e abençõe o Rev. Hernandes Dias lopes…..grande mano…

    • Angelo Posted 15 de maio de 2013 10:37

      Também penso dessa forma PQ TEM QUE SER 10%???? Eu nao vejo referencia nas cartas de PAULO FALANDO SOBRE 10% e sim de ofertas

      • John Melo Posted 21 de maio de 2013 1:53

        a propia palavra responde dizimo vem de dez %

      • Acácio Posted 23 de janeiro de 2019 13:32

        Todos que se baseiam nesta “desculpa”, infelizmente, nunca vi ninguém dar mais de 10%, vejo isto como uma desculpa para dar menos…..

  • maglione alves Posted 17 de março de 2013 19:00

    a questão é que o dízimo sempre foi alimentos.
    e no novo testamento não há nenhum versículo afirmando que a igreja dizimava.
    os dízimos eram para os levitas que não tiveram parte da herança das terras de israel,eu me pergunto na igreja existem levitas nós somos brasileiros.
    eu fico com a opinião do rev. Augustus Nicodemus ,sobre este assunto,que a igreja só ofertavam,mais nós temos que contribuir por amor,segundo propôs o nosso coração seja 10,ou 20 ou 5 por cento,pela nossa economia há muitas famílias que não podem dar os 10% o custo de vida é muito caro hoje,e a maioria dos pastores não compreendem isso, pedem pedem ,sem analisa as condições das famílias,mais eu vejo que Deus como pai sabe compreender a nossa vida.

    • Mauro Freitas Posted 11 de fevereiro de 2016 1:40

      Concordo plenamente com a opinião do amigo! Uma opinião sensata, sincera e com embasamentos teológicos irrefutáveis contidas na opinião do Rev. Augustus Nicodemus.

  • Uilan Posted 22 de março de 2013 9:54

    A Paz Rev.,
    Eu tenho uma inquietação a respeito da pratica do dizimo hoje nas igrejas, se na lei foi ensinado que devemos ficar com 2 %, amparar os estrangeiros com 2%, amparar as viúvas com 2%, amparar os órfãos com 2%, e amparar os levitas ( hoje “seria” comparado com os que trabalham somente para Deus e não tem outra renda) com 2%. total 10% de que foi produzido.
    Por que é nos ensinado hoje que temos que devolver os 10% inteiros?

  • Guto Lopes Posted 18 de abril de 2013 20:23

    A lei foi feita pra judeus e nem eles tem mais templo.Deus deu um basta nisso.
    O que vale para os dias de Hoje(tanto judeus quanto gentios)?
    “Cada um contribua segundo propôs no seu coração; não com tristeza, ou por necessidade; porque Deus ama ao que dá com alegria.” (II Coríntios 9 : 7)
    Saiu disso, sai da BÍBLIA, é a última palavra a IGREJA.

  • Jurandir S. Nogueira Posted 12 de maio de 2013 22:47

    rev. não sou adventista, mas gostaria de entender porque muitas igrejas adotam o dízimo., e deixam de cumprir a guarda do sábado? Haja vista que se trata de um mandamento escrito pelo dedo de – Deus.

  • Welber Posted 23 de maio de 2013 15:39

    Muito bom!

  • Tânia Brizon Posted 31 de maio de 2013 11:01

    Consulte o dicionário da língua portuguesa. Dízimo = décima parte.
    Consulte a Bíblia: obedecer é melhor que sacrificar.
    Dizimar é um ato de obediência, é gratidão e uma honra, um privilégio só dos crentes, dos remidos, daqueles que muito receberam e pouco ou nada tem para dar.

    • Lilian Posted 16 de janeiro de 2014 16:21

      Excelente resposta, Tânia.

  • Rosa Posted 4 de julho de 2013 10:14

    Não há necessidade de guardar o sábado, o próprio Jesus disse que era o Senhor do sábado e cumpriu toda lei para que a nossa justiça não fosse por obras, mas através da fé em Jesus Cristo, senão também teria que praticar a cicuncisão, como no VT. Mas, já a questão do dízimo, Jesus especificou a prática em Mt 23.23, para a manutenção da casa do Senhor. Os que servem ao Senhor devem manter àqueles que se dedicam integralmente a obra como também outras obrigações pertinentes a qualquer comunidade e isso com os nossos dízimos e ofertas. A paz de Cristo para todos.

    • Vlad Posted 5 de julho de 2013 11:36

      Olá Rosa, concordo com vc, se fosse assim deveríamos praticar a circuncisão, “pois está no NT, Jesus foi circuncidado e Paulo circuncidou a Timóteo. Maria sacrificou duas rolinhas após a apresentação de Jesus. Jesus mandou que o recém curado fosse ao templo e apresenta-se o sacrifício pela cura…. No entanto após a morte e ressurreição de Cristo todas estas coisas tornaram-se “perda” como disse Paulo. Cristo nos comprou para a liberdade Nele. Aliás quando Ele comprou não ficou devendo parcelas que nós deveríamos pagar agora. Deus nos ama não por aquilo que fazemos ou deixamos de fazer, pois seu amor é “incondicional”. Grande abraço.

      • Marques Magalhães Posted 26 de maio de 2014 13:46

        Caro Vlad,

        Seu argumento seria perfeito se não tivesse citado a circuncisão de Timóteo por Paulo, pois, esse fato se deu após a ressurreição de Cristo.

    • Lilian Posted 16 de janeiro de 2014 16:27

      Ótima colocação, Rosa. Parabéns!

    • Mauro Freitas Posted 11 de fevereiro de 2016 2:23

      Amiga Rosa! Concordo com a primeira parte do seu comentário, porém tenho que discordar da citação de “Mt 23.23” pois nesse texto Jesus está se referindo aos “escribas e fariseus hipócritas” também chamados de guias cegos que cumpriam minuciosamente partes da lei num sentido prático e esqueciam do mais importante na lei que é a saber “a justiça, a misericórdia e a fé” esses são como muitos falsos mestres e pastores de hoje em dia. Quanto aos que “servem ao Senhor” como te referiste, os que necessitam de ser mantidos, disto Paulo fala em 1Co 9 e são eles os que “servem ao altar” e os que “anunciam o evangelho” o 1º se refere aos levitas que seriam no templo, classe essa que só existe atualmente na cultura judaica ortodoxa, o 2º se refere aos missionários (apóstolos) como Paulo. E não a uma classe de Pastores Revendos ou Ministros que enriquecem as custas dos recursos provenientes dos “dízimos” pratica esta abolida por Jesus quando estabeleceu o Seu “evangelho da graça”. Espero que tenha ajudado.

  • Edson Alves Posted 8 de julho de 2013 13:02

    Penso que o dizimo é um ato de fé e quem tem fé como Abraão para dizimar que dizime quem não tem não dizime e ambos seremos salvos pelo sacrificio de Jesus Cristo.Entendo o reverendo Ele esta mostrando que o dizimo é biblico e legitimo ao contrario de certos ensinamentos que diz que o dizimo é heresia.(Um certo ex presbiteriano tem feito isto que por sinal admiro seus ensinamentos mas não esse.)

  • Maxwell Posted 13 de agosto de 2013 14:03

    O dízimo era dado no templo. Porém a cada 3 anos devia ser levado até o local onde os levitas moravam e doado aos pobres, estreangeiros, órfãos e viúvas, com os quais se devia fazer uma refeição (Deuteronômio 14,28 seguintes).

    É importante notar que o dízimo, na sua origem, não é destinado aos sacerdotes, mas tem como intenção sanar uma disigualdade social: compensar a falta de propriedade que atingia os levitas. Os sacerdotes, invés, sobreviviam com os sacrifícios que o povo oferecia, que eram diferentes do dízimo. Frizamos, contudo, que existe uma grande confusão neste campo, pois graças sobretudo ao livro de Números os sacerdotes, descentendes de Aarão, são considerados Levitas. Porém, se lemos Ezequiel, por exemplo, existe uma nítida diferença entre sacerdotes e levitas. E depois, a confusão aumentou por que o dízimo era entregue no Templo e portanto, parece, que era controlado pelos sacerdotes. De qualquer forma o fato que a Lei obrigue a cada 3 anos que o dízimo não seja levado ao templo, mas pessoalmente aos levitas e pobres, sublinha a índole do dízimo.

  • pb mt Posted 25 de setembro de 2013 17:50

    caro irmão a questão ai em hebreus e mt não se trata de ordenança no Nt entenda o At e oNt Jesus cumpriu toda lei e a resumiu em duas o amor a Deus e ao proximo como a ti mesmo se adotarmos literalmente o dizimo que fazia parte da lei teremos que virar judeus e colocar levitas sustentar viuvas tudo atravez dos dizimos a casa do tesouro foi até na época do templo que não existe mais bem eu posso concordar em apenas adotar como exemplo para ajudar no crescimnto e na obra de Deus e não como muitos destorcem o livro de Malaq por exemplo precisamos ensinar que dar a decima parte hoje e questão de generosidade voluntariedade e acreditar na lei da semeadura e não barganhar com Deus e tambem ensinar que Deus pode tambem abençoar pelo lado espiritual aonde muitos esquecem eu dizimo conciente disso e outras.

  • Roberto Penha Posted 1 de outubro de 2013 12:17

    O dizimo é o teto mínimo de contribuição fora as ofertas, o apóstolo Paulo orienta em 1 coríntios que o que ganhamos a mais é para ser usado na obra de Deus, ou seja, além do dizimo ser bíblico, no NT a chamada para as ofertas ganha uma força muito maior, visto que muitos se desfaziam do que tinham para contribuir, conforme o livro de Atos, e quem sou para devolver a Deus apenas 3% ou 5% de tudo que Ele me deu. Isto sim é amor ao dinheiro. E outro ponto o dizimo e as ofertas são para todos sejam eles ricos ou pobres seja o custo de vida alto ou baixo, conheço pessoas que possuem famílias com apenas 1 salário mínimo e são fieis no dizimo e oferta e nem por isso Deus os deixa passar necessidades (Mt6.33). Agora se eu quero ter um padrão de melhores carros, roupas e aparelhos eletrônicos, com certeza nem mesmo roubado a Deus no dizimo o indivíduo terá suas necessidades satisfeitas.

  • José Telmo Martins Posted 15 de fevereiro de 2014 15:13

    Concordo com a contribuição, porém não com um valor predeterminado, podendo a contribuição superar ou não ao dízimo, desde que seja de coração.
    Um dos maiores nomes dentro da IPB, o Rev. Augustus Nicodemos também concorda.

  • REGINALDO MENDONÇA Posted 16 de agosto de 2014 15:05

    Agradeço sua defesa bíblica desta doutrina. Os comentários tendenciosos nas redes sociais a cerca do Dízimo tem prejudicando a Igreja, alguns irmãos acataram com essas idéias com o propósito de respaldar a infidelidade ao Senhor deixando de honrar ao Senhor com os seus bens. Quem distorce as Escrituras terá que dar conta diante de Deus.

  • dill Posted 9 de setembro de 2014 0:26

    dizimar, é maravilhoso, pois honro a deus com meus bens, contribuo com a obra na terra, quebro o ego em relação ao dinheiro,”o deus mamon” e desfruto da colheita da semeadura na terra e a glória do porvir.

  • Emerson Julio Chaves Posted 1 de outubro de 2014 12:26

    O que não consigo encontrar na Bíblia é Deus pedindo dízimos! Quando Abrão entrega o dízimo a Melquizedeque, (foi a primeira vez que encontramos a palavra dízimo na bíblia),Deus não tinha pedido a Abrão dízimo,ele que deu! ofertas sim,com Caim e Abel.

  • Acácio Posted 23 de janeiro de 2019 13:35

    Para você que acha 10% muito, fica com os 10% e dá os 90% para o reino de DEUS. Que tal?

Responder

Resposta

Your email address will not be published. Required fields are marked *