Generosidade, o fundamento da prosperidade

A generosidade é o caminho da prosperidade. Quando abrimos o coração e as mãos para socorrer os aflitos, Deus abre sobre nós as janelas dos céus. A generosidade e não a usura é a fonte da verdadeira prosperidade. Vejamos três aspectos da generosidade cristã:

Em primeiro lugar, a generosidade é uma semeadura que produz farta colheita. A Palavra de Deus diz: “A quem dá liberalmente, ainda se lhe acrescenta mais e mais; ao que retém mais do que é justo, ser-lhe-á pura perda” (Pv 11.24). Na economia de Deus, você tem o que dá e perde o que retém. O dinheiro é como uma semente, só se multiplica quando é semeado. A semente que se multiplica não é a que comemos nem a que guardamos, mas a que semeamos. A semeadura generosa terá uma colheita farta, pois quem dá liberalmente, ainda se lhe acrescenta mais e mais. É o próprio Deus quem multiplica a nossa semente e faz prosperar a nossa sementeira, quando abrimos a mão para abençoar. Mãos abertas produzem bolsos cheios. O contrário, também, é verdadeiro. Ao que retém mais do que é justo, ser-lhe-á pura perda. Vasa entre os dedos. É como receber salário e colocá-lo num saco furado. Aqueles que acumulam com avareza o que poderia socorrer o aflito, descobre que esse dinheiro acumulado não pode lhes dar felicidade nem segurança. Aqueles que ajuntaram fortunas e viveram no fausto e no luxo, deixando à míngua o próximo à sua porta, descobrem que, quando a morte chegar, não poderão levar sequer um centavo. Não há caminhão de mudança em enterro nem gaveta em caixão. Mas aquilo que você dá com generosidade, é como uma semente bendita que se multiplica e alimenta a milhares.

Em segundo lugar, a generosidade é uma dádiva que produz prosperidade. A Palavra de Deus é clara em afirmar: “A alma generosa prosperará, e quem dá a beber será dessedentado” (Pv 11.25). A prosperidade não é resultado da usura, mas da generosidade. A avareza é a mãe da pobreza, mas a generosidade é a genetriz da prosperidade. Aqueles cujos corações foram abertos por Deus, têm mãos e bolsos abertos para socorrer os necessitados. Jesus Cristo disse que mais bem-aventurado é dar do que receber. A contribuição não é um favor que fazemos às pessoas, mas uma graça que recebemos de Deus. Quando abrimos a mão para ofertar estamos investindo em nós mesmos e semeando em nosso próprio campo. Quem dá ao pobre empresta a Deus e ele jamais fica em débito com ninguém. Deus multiplica a sementeira daquele que semeia na vida dos seus irmãos. Quem dá alívio aos outros, alívio receberá. Quando damos a beber a quem tem sede, dessedentamos a nós mesmos. O bem que fazemos aos outros, retorna para nós em dobro.

Em terceiro lugar, a generosidade é um empréstimo a Deus, que a ninguém fica devendo. A Palavra de Deus é enfática: “Quem se compadece do pobre ao Senhor empresta, e este lhe paga o seu benefício” (Pv 19.17). Deus sempre demonstra um cuidado especial aos pobres. Deus, porém, faz tanto o rico quanto o pobre. Se o pobre é um mistério divino, o rico tem um ministério divino. O rico não deve acumular sua riqueza com avareza, mas distribui-la com generosidade. Deve ser rico de boas obras e ter consciência de que, o que recebe de Deus com abundância, deve ser compartilhado com generosidade. Isso é como emprestar a Deus, pois Deus é o fiador do pobre. Deus nunca fica em dívida com ninguém. Ele não dá calote. Sua justiça é perfeita e sua misericórdia não tem fim. Ele é a fonte de todo o bem. Tudo o que temos e somos vem de Deus. Riquezas e glórias vêm das suas mãos. É ele quem multiplica a nossa sementeira para continuarmos semeando na vida do nosso próximo. É ele quem nos faz prosperar como fruto da generosidade. É ele quem nos paga em dobro tudo quanto ofertamos ao pobre.

10 Comentários

  • Leonardo Corrêa Posted 11 de junho de 2012 10:53

    Excelente palavra. Que Deus aplique-a em nosso coração por meio do Espírito e que possamos refletir sobre os dízimos e ofertas!!

    Deus o abençoe Reverendo!

  • Ricardo Posted 21 de junho de 2012 20:42

    As promessas de Deus nos ajudam e nos
    animam a sermos pessoas melhores neste
    mundo.
    É bom saber que fazendo as nossas obriga-
    ções como cristãos ainda somos recompen-
    sados. Só Jesus faz isto.
    Obrigado Pr. Hernandes, eu lhe amo muito
    em Cristo Jesus.

  • Trackback: Generosidade, o fundamento da prosperidade | Estudos Bíblicos
  • Trackback: Generosidade, o fundamento da prosperidade | Estudos Novo Tempo
  • Trackback: Generosidade, o fundamento da prosperidade | .:: Falar de Jesus ::.
  • Marcos Crecchi Posted 25 de junho de 2012 18:04

    Graça e paz! Os lideres das megas igrejas precisam aprender isso, mas com urgência!

  • Adonias Campelo Posted 7 de agosto de 2012 14:36

    Reverendo Hernandes:

    Sinto-me privilegiado em ler um artigo tão simples e esclarecedor (como deve ser a pregação do Evangelho). Penso que os dízimos e ofertas também devem ser vistos sob este mesmo facho de luz. Este artigo é um bem-sucedido argumento contra a teologia da prosperidade, pois trata de nosso relacionamento para com Deus e também para com o próximo. Resumo a lição que extrai desse brilhante artigo: “Seja generoso e Deus será generoso com você”.

    Cordialmente,

    Adonias Campelo

  • Edmilson lucena filho Posted 10 de agosto de 2012 7:21

    O meu desejo e que o povo de Deus,fosse mais conhecedor da palavra para sermos uma igreja mais generosa, como foram os nosso irmãos primitivos. Somente a palavra pode nos transformar. Um forte abraço e a paz do Senhor jesus.

  • Romildo Gomes Posted 30 de agosto de 2012 18:29

    Ótimo artigo, muito esclarecedor. O povo de Deus precisa ter acesso a textos como esse em que há base bíblica no que tange a aspectos financeiros. Existem “igrejas” distorcendo as verdades bíblicas, promevendo um individualismo quanto a questão financeira, por outro lado, a herança católica arraigada na cultura brasileira visualiza a riqueza como pecado e a caridade como obrigação e moeda de troca. No texto de Atos, quando se refere a vinda do pentecostes, bem como o início da igreja primitiva, o multualismo ali descrito era algo unico e extremamente espiritual, ou seja, não havia um interesse material e por outro lado, aqueles irmãos possuiam bens a serem divididos, entende-se, portanto, que dentro de um contexto moderado ter riqueza é aceitável e necessário para que pessoas possam ser usadas no socorro dos necessitados.

  • Regina Helena Nogueira Couto Posted 16 de agosto de 2015 8:55

    Como é verdade, pastor Hernandes! Tudo que semeamos, colhemos multiplicadamente, da mesma qualidade.
    Conta-se que certo fazendeiro era famoso pela qualidade do seu milho, e por isso, anualmente ganhava prêmios. Nesses festivais, ele distribuía sementes para os vizinhos. Certa vez uma pessoa questionou: – “Se você distribui a sua melhor semente irá perder o prêmio dos próximos festivais. Eles são seus concorrentes”.
    O fazendeiro, sabiamente, respondeu: – “O milharal dos meus vizinhos fornece pólen que, levado pelo vento, fecunda o meu milharal. Se eles não tiverem uma cultura de milho de boa qualidade genética além de perder os prêmios, perderei a fonte de renda da minha família. Melhorando a produção dos meus vizinhos, melhoro a minha também”.
    As abelhas dançam indicando fontes de alimento. Isto é fundamental pra sobrevivência de sua colmeia.

Responder

Resposta

Your email address will not be published. Required fields are marked *