O dragão ataca a igreja

Referência: Apocalipse 12.1-18

INTRODUÇÃO

1. O livro de Apocalipse tem duas grandes divisões: 1-11 falam da perseguição do mundo contra a igreja e os juízos de Deus aos ímpios em resposta às orações dos santos; 12-22 falam da perseguição cruel do quarteto do mal que ataca a igreja: Satanás, o Anticristo, o Falso Profeta e a Grande Babilônia e a vitória retumbante de Cristo e sua igreja sobre esses inimigos.

2. Na primeira divisão (1-11) tivemos três seções: os sete candeeiros (1-3), os sete selos (4-7) e as sete trombetas (8-11). Na segunda divisão (12-22), teremos quatro seções: o quarteto do mal ataca a igreja (12-14), as sete taças, o juízo de Deus sobre os ímpios (15-16), a vitória retumbante de Cristo sobre a Grande Babilônia, o Antricristo e o Falso Profeta (17-19) e a vitória final de Cristo sobre o diabo, os ímpios e a morte e os novos céus e nova terra (20-22).

3. Em cada seção, cobre-se todo o período que vai da primeira à segunda vinda de Cristo. Tendo visto a cena do juízo final no prelúdio do sétimo selo e no prelúdio das sete trombetas, agora (cap. 12), voltaremos ao início da história, na primeira vinda de Cristo. Falaremos não da segunda vinda de Cristo, mas da encarnação.

4. O tema principal da segunda divisão do livro (12-22) é a mesma da primeira (1-11): a vitória de Cristo e de sua igreja. Contudo, aqui a luta do diabo e seus anjos contra a igreja será mais rehida.

5. O capítulo 12 revela-nos três cenas. O dragão realiza três lutas: 1) Contra Deus e seu Messias (v. 1-6); 2) contra Miguel (v. 7-12); 3) contra a mulher (v. 13-18). Em todas as três lutas ele sai derrotado.

I. A DESCRIÇÃO DA MULHER PERSEGUIDA – V. 1-2,6

1. Essa mulher é um símbolo da igreja – v. 1-2
• A igreja Católica Romana entende que essa mulher é um símbolo de Maria. Os Dispensacionalistas crêem que essa mulher é um símbolo da Nação de Israel, mas a interpretação mais coerente é interpretá-la como sendo a Igreja.
• Em ambas as dispensações, a igreja é uma só, um só povo escolhido em Cristo, uma só vinha, uma só família, um só rebanho, um só corpo, uma só esposa, uma só nova Jerusalém.

2. Essa mulher está vestida do sol, ou seja, ela é gloriosa e exaltada – v. 1
• A igreja reflete a beleza de Cristo. Ela reverbera o brilho da glória de Deus. Assim como o ouro cobria as tábuas de acácia no tabernáculo, a glória de Deus cobre a igreja. A beleza de Deus está estampada na igreja. A glória de Deus refulge na e através da igreja.

3. Essa mulher tem debaixo dos pés a lua, ou seja, ela exerce domínio – v. 1
• O cabeça da igreja é aquele que tem todo poder e toda autoridade no céu e na terra. A igreja está em Cristo. Ela está entronizada com ele. Ela é a noiva do Cordeiro. Ela está assentada com ele acima de todo principado e potestade. Ela recebeu autoridade sobre o diabo e suas hostes. A autoridade da igreja foi recebida por Jesus. Seu domínio não é político nem econômico, mas espiritual.

4. Essa mulher tem em sua cabeça uma coroa de doze estrelas, ou seja, ela é vitoriosa – v. 1
• A igreja é vencedora. Ela está em Cristo. A vitória de Cristo é a sua vitória. A exaltação de Cristo é a sua exaltação. A igreja é mais do que vencedora (Rm 8:31-39). A igreja triunfa com Cristo. Na mesma nuvem que Cristo vem, a igreja vai (11:12). A igreja se assentará em tronos para julgar o mundo e os anjos (1 Co 6:2).

5. Essa mulher está grávida, ou seja, sua grande missão é dar à luz a Cristo segundo a carne – v. 2

• Deus preparou um povo especial para ser o veículo da chegada do Messias ao mundo. Esse processo foi doloroso, sofrido. Houve muita dor e lágrima. Muitas forças hostis e muitas artimanhas do Dragão tentaram frustrar esse plano e destruir essa criança (as perseguições no VT, tentando impedir a vinda do Messias prometido conforme Gn 3:15). Mas Deus protegeu o seu povo e na plenitude dos tempos Jesus nasceu.

6. Essa mulher é protegida por Deus da fúria do dragão – v. 6,14
• A igreja é protegida por Deus. Ela tem sido sustentada por Deus no deserto. O deserto aqui não é um lugar geográfico, identificado no mapa. A igreja pode ser protegida até mesmo em Pérgamo, onde está o trono de Satanás e apesar disso vencer (Ap 2:13,17) sem emigrar.
• O mundo não é o habitat da igreja. Somos peregrinos aqui. Não estamos em casa aqui. Durante mil duzentos e sessenta dias, um símbolo de todo o período da igreja, ela é protegida por Deus: às vezes não da morte, mas na morte (v. 11).
• De acordo com Apocalipse 7:3 e 9:4 a igreja recebeu um selo. De acordo com Apocalipse 11:1 ela recebeu uma medida. Agora, ela recebe asas (Apocalipse 12:14). Todos esses símbolos evidenciam que Deus protege o seu povo do poder do mal.

II. A DESCRIÇÃO DO FILHO DA MULHER PERSEGUIDA – V. 5

1. O Filho da mulher é o Messias vencedor – v. 5,10
• A descrição do Filho não é em sua humilhação, mas de sua exaltação. O Filho que nasceu é o Rei que tem o cetro nas mãos. Seu reinado é universal e irresistível.

2. O Filho da mulher é o Messias que completou a sua obra – v. 5
• O versículo não menciona a sua obra expiatória, porém, sabemos à luz das Escrituras que a exaltação é um resultado da sua humilhação até à morte e morte de cruz (Fp 2:5-11). Jesus, na cruz, triunfou sobre os principados e potestades (Cl 2:15).

3. O Filho da mulher é o Messias que subiu ao céu para assentar-se no Trono – v. 5
• Ele venceu o dragão na cruz (Gn 3:15). E agora, está no trono, governando os céus e a terra (Mt 28:18). Ele vai reinar até colocar todos os seus inimigos debaixo dos seus pés (1 Co 15:25). A ascensão de Cristo é a vitória judicial sobre Satanás, o pecado e a morte.

4. A vitória do Filho e a expulsão do dragão, provocam proclamação de alegria no céu – v. 10,12
• A vitória de Cristo agora é vista e publicada. Embora, Cristo esteja reinando hoje, os agentes do mal ainda estão operando. Mas, então, essa vitória será reconhecida plenamente.

III. A DESCRIÇÃO DO DRAGÃO – V. 3-16

1. O dragão é um ser pessoal – v. 9
• Ele não é um mito, uma figura lendária ou folclórica. Ele não é um ser impessoal, etéreo. Ele não é uma energia negativa. Ele é um anjo caído, um ser que tem vontade, planos e estratégias. Ele tem sentimentos, pois está cheio de cólera (v. 12) e permanentemente irado contra a igreja (v. 17). Ele tem inteligência, pois é capaz de seduzir (v. 4). Ele tem obejivos claros, perseguir o Messias (v. 4) e sua igreja (v. 13).
• Sua grande obcessão é devorar Jesus (v. 4). O verdadeiro alvo do dragão não é a mulher, mas sim o filho. Quando a igreja sofre aflições, o dragão quer atacar o Filho na igreja (At 9:4). A luta contra Cristo na igreja é a obecessão do dragão, porque ele é vencido pelo sangue do Cordeiro e pela palavra do testemunho (v. 11).

2. O dragão é um inimigo que exerce influência universal – v. 3,9
a) Sete cabeças – representam que ele exerce poder e grande autoridade de forma univesal. Ele é o deus deste século. O príncipe da potestade do ar. Ele atua nos filhos da desobediência. Ele é o pai daqueles que vivem para fazer sua vontade (Jo 8:44). Ele é o sedutor de todo o mundo (12:9).
b) Dez chifres – simbolizam sua capacidade destruidora. Ele é o Abadom e o Apolion, o destruidor. Jesus o chama de homicida (Jo 8:44). Ele é o ladrão que veio para matar, roubar e destruir (Jo 10:10).
c) Sete diademas – simbolizam que seu governo é universal. Sua influência não se limita a um povo ou nação. Ele possui súditos em toda a terra (Lc 11:20-22). Ele tem um reino (Cl 1:13; At 26:18).

3. O dragão é um inimigo destruidor – v. 3
• Ao chamá-lo de um dragão GRANDE, evidencia que ele é um inimigo terrível, perigosíssimo, destruidor. Ao chamá-lo de VERMELHO, denota a sua capacidade de provocar destruição e morte. Essa descrição revela que o dragão é assassino, sanguinário, cruel.

4. O dragão é um inimigo sedutor – v. 4,9
a) Sedutor no mundo angelical (v. 4) – Ele era perfeito até que se achou iniquidade em seu coração (Ez 28:15). Ele conseguiu enredar uma terça parte dos anjos que foram expulsos do céu (v. 4). Esses anjos em vez de espíritos ministradores de Deus (Hb 1:14), tornaram-se vassalos do diabo.
b) Sedutor de todo o mundo (v. 9) – Ele foi o protagonista da queda de Adão e Eva no Éden. Para tentar nossos primeiros pais ele usou o disfarce, a dúvida, a inversão da Palavra de Deus, a negação da Palavra de Deus, a exaltação do homem, a acusação contra Deus, a sedução do homem. Ele ainda usa essas mesmas artimanhas para seduzir as pessoas hoje.

5. O dragão é um inimigo acusador – v. 9,10
• O dragão é mentiroso e acusador. Ele acusou Jó (Jó 1:9,10). Ele acusa os nossos irmãos (v. 10). Sua acusação é ininterrupta (v. 10b). Ele não descansa, não dorme nem tira férias. Ele é perseverante. Ele tentou destruir o Filho da mulher (v. 5), agora, quer destruir a mulher (v. 13). Ele pesquisa a nossa vida, e não perde oportunidade para nos acusar (Rm 8:34).

6. O dragão é um inimigo adversário – v. 9
• Satanás significa opositor, adversário. Foi ele quem se opôs a Moisés através dos magos no Egito (Ex 7:20-22; 8:6-7,16-17). Foi ele quem se opôs ao sumo sacerdote Josué (Zc 3:1). Foi ele quem se opôs a Paulo e barrou-lhe o caminho (1 Ts 2:18).

7. O dragão é um inimigo cheio de cólera – v. 12
• Ele está cheio de cólera porque foi expulso do céu e sabe que lhe resta pouco tempo. Ele está cheio de cólera porque não pôde destruir o Filho da mulher (v. 5). Ele está cheio de cólera porque sabe que a igreja é protegida por Deus (v. 6).

8. O dragão é um inimigo limitado – v. 7-9,12-3,16
a) Limitação de espaço (v. 8,9,13) – O dragão não encontrou mais lugar no céu. Ele não pode tentar mais ninguém que está no céu. Ele foi atirado para a terra e com ele os seus anjos.
b) Limitação de tempo (v. 12) – O diabo é uma serpente golpeada na cabeça que está furiosa, no estertor da morte, sabendo que pouco tempo lhe resta e que sua sentença já foi lavrada. Em breve será lançado no lago do fogo (Ap 20:10). O diabo sabe que ele está derrotado, mas luta para que os homens não saibam.
c) Limitação de poder (v. 7,8,16) – Hoje muitos superenfatizam o poder do diabo. A demonologia está em alta. Mas o diabo é vencido por Jesus (v. 5), é vencido pelos anjos (v. 7-8) e é vencido pela igreja (v. 11).

IV. A INTERVENÇÃO DE DEUS EM FAVOR DA IGREJA NESTA BATALHA CONTRA O DRAGÃO

1. A ação protetora de Deus – v. 6,14,16
• A igreja está no mundo, mas não é do mundo. Ela é protegida no mundo. Deus preparou para ela um lugar no deserto (v. 6). As duas asas são como o selo de Deus que protegem a igreja contra a fúria do dragão (v. 14).
• Havendo fracassado em seu esforço para derrotar Cristo, o dragão vai perseguir a igreja e lançar contra ela um rio de mentiras e perseguição (v. 16).
• O dragão cheio de cólera vai pelejar contra os fiéis (v. 17). Muitas vezes Deus os livrará na morte e não da morte (v. 11).

2. A ação interventora dos anjos – v. 7-8
• A Bíblia diz que os anjos são valorosos em poder e executam as ordens de Deus (Sl 103:20). O arcanjo Miguel e seus anjos lutaram contra o dragão e seus anjos (v. 7). Nessa peleja no reino espiritual, o dragão e seus anjos foram derrotados (v. 8).
• O dragão e seus anjos não foram apenas derrotados, mas também expulsos do céu, ou seja, ele perdeu o posto de acusador dos nossos irmãos. Por causa da obra de Cristo na cruz, as acusações do dragão não têm nenhuma base legal (Rm 8:33).
• Essa luta no céu requer ser justaposta com uma segunda luta aqui na terra, em Apocalipse 19:19. Ambas as lutas terminam com a precipitação de Satanás. No presente texto é Satanás que cai do céu para a terra (v. 9), lá ele cai da terra para o abismo (20:3). Em ambos os casos o juízo é executado por meio de um anjo.
• Ainda hoje os anjos são ministros de Deus que trabalham em nosso favor (Hb 1:14).

3. A ação intercessória de Cristo – v. 5

• Cristo ascendeu ao céu e assentou no trono. Somos informados que ele está no céu intercedendo por nós (Hb 7:25). Sua intercessão é plenamente eficaz (Rm 8:34). Nenhuma acusação pode prosperar contra os eleitos de Deus, por quem Cristo morreu.

V. AS ARMAS DA VITÓRIA DA IGREJA SOBRE O DRAGÃO

1. A igreja vence o dragão por causa do sangue do Cordeiro – v. 11
• A morte de Cristo é a nossa vitória. O sangue de Cristo é a nossa arma mais poderosa. Seu sacrifício na cruz desfez toda a possibilidade de Satanás triunfar sobre o povo de Deus (2 Co 5:21).
• Por meio do que eles venceram? Através de Miguel? De suas próprias realizações? Não. Por meio do sangue do Cordeiro. O motivo da vitória sobre o dragão acusador é o sangue do Cordeiro. Não é o conhecimento do Cordeiro, nem a crença intelectual no Cordeiro, mas o sangue do Cordeiro.

2. A igreja vence o dragão por causa da Palavra do testemunho – v. 11
• A igreja vence o dragão quando testemunha de Cristo mesmo em face da perseguição e da morte. Ela prefere ser uma igreja mártir do que ser um igreja apóstata. Ela prefere morrer a negar o nome de Jesus. Ela, assim, mesmo morrendo, vence a Satanás.
• Quem traz Cristo no coração, também traz uma cruz nas costas.
• Não é a crença intelectual no Cordeiro, nem o louvor interno do Cordeiro que significa vitória, mas somente a palavra do testemunho diante de ouvidos estranhos. A igreja que vence é a comunidade de testemunhas.
• Em tempo difíceis a igreja passa por uma grande tentação: hibernar – suspender seu testemunho, esconder-se numa toca e viver de seus estoques até que voltem a raiar tempos melhores. Mas não é a igreja que hiberna que será vencedora, mas a igreja testemunha. Ninguém jamais subirá dos alojamentos cristãos de inverno.
• A igreja vitoriosa é aquela que não ama a própria vida. Que foi que amaram então? A morte? Não! Amaram o Cordeiro até à morte.
• Acaso é necessário que ao sangue do Cordeiro também seja acrescentado o sangue do martírio? De modo algum o dragão teme sangue de mártires, mas lambe-o avidamente (17:6). Enxurradas de sangue humano não o atormentam. Somente o sangue do Cordeiro o derrota.
• O diabo e seus agentes, em sua fúria vão perseguir e matar os santos, mas estes vencerão o diabo e seus anjos, no próprio ato de morrer por amor a Cristo.

CONCLUSÃO

1. Embora, o dragão seja grande, vermelho, sedutor, temido, ele está derrotado. A vitória está assegurada. Caminhamos não para um final trágico ou incerto. Caminhamos para a consumação gloriosa de Cristo e da sua noiva. Que Deus seja louvado!

Rev. Hernandes Dias Lopes

1 Comentário

  • Sidney Jones Posted 17 de abril de 2010 22:46

    Esta mensagem, ut supra, sobre o capítulo 12 de Apocalipse foi-me estremamente consoladora, não somente esta, mas todas quantas Deus tem se servido através do sr., pr. Hernandes. Rogo-lhe a Deus que continue fazendo de si um intrumento para a glória d’Ele. Que o Senhor lhe abençoe juntamente com os seus, família e igreja.

Responder

Resposta

Your email address will not be published. Required fields are marked *