PERIGOS E PROMESSAS ACERCA DOS DÍZIMOS

Deus é o criador e dono do universo. Nada trouxemos para o mundo nem nada dele levaremos. Ele, porém, constituiu-nos como seus mordomos e requer de nós fidelidade nessa mordomia. Um dos sinais dessa mordomia é que devemos devolver a Deus, de tudo o que ele nos dá, dez por cento. Isso é chamado de dízimo. Falaremos sobre os perigos e promessas sobre o dízimo.

Em primeiro lugar, os perigos sobre o dízimo. Destacaremos quatro perigos que o texto de Malaquias 3.8-10 destaca:

  1. Reter os dízimos (Ml 3.8). “Roubará o homem a Deus? Todavia, vós me roubais e dizeis: Em que te roubamos? Nos dízimos e nas ofertas”. Os dízimos são santos ao Senhor, e não podemos lançar mão deles. Retê-los é apropriação indébita. É roubo ao Senhor. Não damos dízimos; entregamo-los. Não são nossos; pertencem a Deus.
  2. Subtrair os dízimos (Ml 3.10). “Trazei todos os dízimos…”. Não podemos entregar parte, afirmando que estamos entregando todos os dízimos. Reter mais do que é justo é pura perda. Deus requer de seus mordomos fidelidade na administração do que lhe pertence.
  3. Administrar os dízimos (Ml 3.10). “Trazei todos os dízimos à casa do tesouro…”. Deus nos ordena a trazer todos os dízimos, mas não nos constituiu administradores deles. Nosso papel é entregar o que é Deus, na Casa de Deus, para o suprimento da obra de Deus.
  4. Subestimar os dízimos (Ml 3.8b). “… e dizeis: em que te roubamos? Nos dízimos e nas ofertas”. A geração de Malaquias estava desprezando o culto divino e trazendo ofertas indignas para Deus. Quando acusados pelo profeta de estarem roubando a Deus, logo perguntaram: “Em que te roubamos?”. Julgavam que o dízimo era coisa de somenos. Por isso, eram negligentes.

Em segundo lugar, as promessas sobre o dízimo. Depois de Malaquias alertar sobre os perigos, passa a tratar sobre as promessas divinas àqueles que são fiéis na devolução dos dízimos.

  1. Janelas abertas dos céus (Ml 3.10). “… e provai-me nisto, diz o Senhor dos Exércitos, se eu não vos abrir as janelas do céu…”. Tudo o que temos, recebemos de Deus. Ele é o nosso criador e também provedor. Quando somos fiéis a ele na mordomia dos bens, ele promete abrir-nos as janelas do céu. Dele vem toda boa dádiva.
  2. Bênção sem medida (Ml 3.10b). “… e não derramar sobre vós bênção sem medida”. Deus é abençoador. Aqueles que o honram, são honrados por ele (1Sm 2.30). Suas bênçãos são abundantes e sem medida para aqueles que confiam na sua providência e são fiéis mordomos dos recursos que ele mesmo coloca em suas mãos.
  3. Devorador repreendido (Ml 3.11). “Por vossa causa, repreenderei o devorador…”. Deus não apenas abre sobre nós as janelas do céu, mas também repreende o devorador para que ele não consuma o fruto do nosso trabalho. Deus nos abençoa e nos protege.
  4. Felicidade plena (Ml 3.12). “Todas as nações vos chamarão felizes…”. Quando somos fiéis a Deus e abençoados por ele, isso serve de testemunho às nações e todos reconhecem que somos um povo feliz, porque não retemos o que é de Deus, mas, com gratidão, entregamos o que lhe pertence. Fica claro que o dízimo não é subtração. Na matemática divina, perdemos o que retemos e ganhamos o que entregamos. Se formos mordomos infiéis na devolução dos dízimos roubaremos a Deus, a nós mesmos e aos outros. Mas, se obedecermos a Deus, comeremos o melhor desta terra e seremos abençoados com toda sorte de bênçãos!

 

Rev. Hernandes Dias Lopes

Responder

Resposta

Your email address will not be published. Required fields are marked *