Porque eu devo ser um dizimista?

O dízimo é um tema polêmico. Alguns crentes sinceros questionam sua prática. Outros não estão convencidos de que o Novo Testamento trate dessa matéria com clareza. Há aqueles que preferem dar ocasionalmente uma oferta, buscando com isso substituir a prática do dízimo.

Alguns outros, seja por amor ao dinheiro ou dificuldades financeiras não conseguem entregar as primícias da sua renda para Deus. Há ainda aqueles que se dizem dizimistas, mas não são regulares na devolução. Ainda outros se sentem no direito de administrar o próprio dízimo, entregando-o aonde bem entendem. E finalmente, há aqueles que entregam parte do dízimo como se estivessem entregando-o integralmente. O que a Palavra de Deus tem a nos ensinar sobre esse
tão importante assunto?

Em primeiro lugar, o ensino sobre o dízimo está presente em toda a Escritura. O dízimo está presente antes da Lei, na Lei, nos livros Históricos, nos livros Poéticos, nos livros Proféticos, bem como nos Evangelhos e também nas Cartas gerais. A prática do dízimo fez parte do sacerdócio levítico, do sacerdócio de elquisedeque e também do sacerdócio de Cristo, pois é ele quem recebe os dízimos (Hb 7.8). Nós podemos até discordar da prática do dízimo, mas não podemos negar que seu ensino seja claro em toda a Bíblia.

Em segundo lugar, a retenção do dízimo é um sinal de decadência espiritual. Estude atentamente a Escritura e você verá que sempre que o povo de Deus estava vivendo um tempo de esfriamento espiritual, a primeira coisa que ele deixava de fazer era entregar o dízimo com fidelidade. Por outro lado, sempre que o povo se voltava para Deus em arrependimento, a prática do dízimo era restabelecida. O dízimo era uma espécie de termômetro espiritual do povo de Deus.

Em terceiro lugar, a devolução do dízimo é um ato de obediência a Deus. Os
mandamentos de Deus nos são dados para serem cumpridos. Deus nunca nos dá uma ordem sem nos dar poder para cumpri-la. Há alegria e recompensa na obediência, muito embora, nossa motivação em devolver os dízimos não é alcançar os favores de Deus, mas glorificá-lo. Quando um servo de Deus o honra com as primícias de toda a sua renda, Deus promete encher os seus celeiros e fartar de vinho os seus lagares. Quando um servo de Deus traz todos os dízimos à Casa do Tesouro Deus promete repreender o devorador e abrir as janelas do céu.

Em quarto lugar, a devolução do dízimo é um passo de fé. Antes de Deus ordenar o seu povo a trazer o dízimo, ordenou-o a trazer o coração (Ml 3.6-10). Os fariseus traziam o dízimo, mas não o coração, e Jesus os chamou de hipócritas (Mt 23.23). Quando o coração se volta para Deus, o bolso também se abre. Deus nos mandou fazer prova dele. Nossa confiança precisa estar no provedor mais do que na provisão. O dizimista sabe que noventa por cento com a bênção de Deus vale mais do que cem por cento sob sua maldição.

Em quinto lugar, o dízimo é o recurso de Deus para o sustento da sua obra. O dízimo não é nosso, é de Deus. Ele é santo ao Senhor. O dízimo não é da igreja, é o Senhor Jesus quem o recebe (Hb 7.8). O dízimo é primícia e não sobra.

É dívida e não oferta. É ordem divina e não opção nossa. Reter o dízimo é desamparar a Casa de Deus. Porém, trazer todos os dízimos à Casa do Tesouro é ser cooperador com Deus no sustento da sua obra, na expansão do seu Reino e na proclamação do evangelho até aos confins da terra. Conclamo você a examinar seu coração e a acertar essa área vital da sua vida com Deus.

Não adie mais essa atitude de ser um dizimista fiel e honrar o Senhor com as primícias de toda a sua renda.

Rev. Hernandes Dias Lopes

11 comentários em “Porque eu devo ser um dizimista?”

  1. karina monteiro licarião

    rev. Deus continue abençoando sua vida, com inspiração divina para nos transmitir artigos tão preciosos como esse! sempre fui dizimista, desde que me converti,sempre digo que quanto mais abençoamos a obra de Deus e dizimamos com alegria mais somos abençoados! esse assunto é muito importante mais poucos tem coragem de falar e ensinar sobre ele! continue sendo corajoso e ensinando toda a verdade da palavra de Deus!

  2. Rev. Graça e Paz
    Dízimo é produto de um contexto movido pela lei, não pela graça. Leio seus artigos e estimo muito, porém sou obrigado a discordar do seu ponto de vista em relação aos dízimos. O dízimo em Israel era um especie de imposto de renda dos hebreus, como Israel era um estado teocrático, dar o dizimo era uma questão de manter o estado funcionando. Em nenhum momento nos escritos do NT nós o vemos como uma obrigação legal, mas um incentivo a uma contribuição espontanea e voluntária ( II Co.8-9). Paulo incentiva os irmaos da Igreja de corinto a ajudar os irmaos da judéia, mas não apela para a legalidade do dízimo e nem para Ml.3.8 o texto preferido dos Pastores quando a renda da Igreja está baixa.
    A prática do dizimo foi abolida, mas o princípio permanece.
    Os dízimos eram destinados a suprir as demandas de quarto classes de pessoas em Israel: Os pobres, viúvas, estrangeiros e levitas. ( boa parte dos pastores estão preocupados apenas em ivestir em cimento e tijolo e em seus patrimonios pessoais)
    Não podemos esquecer de que Deus não tem casa ( Templo), ele não habita em templos feitos por maos humanas, portanto dizimar é investir os recursos que Deus nos dá em pessoas, e não meramente em estruturas religiosas.
    Portanto creio que o dízimo é Bíblico, porque a Bíblia versa sobre esse assunto, mas não é cristão, pois Jesus não o ensinou como pratica de piedade aos seus discipulos e por conseguinte os discipulos nao ensinaram as Igrejas, pelo meno o NT não deixa entrever.

    Espero que considere essas palavras não como uma orientação, quem sou eu pra instruir o senhor, mas apenas para expressar um princípio que aprendi com Leonardo Boff que ” todo ponto de vista e visto de um ponto”

  3. Rev Hernandes, a Paz do Senhor Jesus.
    Creio sim que devemos ajudar na obra, com nossas ofertas, ou dizímos, trizimos, enfim , em 2cor9-7..Deus ama ao que dá com alegria. Infelismente alguns tem ameaçado os crentes com Malaquias 3,10, dizendo que são “ladrões”, ou seja, se dou dizimo porque tenho medo de ir pra o inferno, creio que Deus nem recebe; temos que ajudar na obra com 5,10,20,30,50% de nossas rendas , mas com alegria.
    Eu particulamente, ás vezes ouço membros dizerem ” eu devolvo o dizimo, se o pastor vai comprar carro novo, rasgar, ficar pra ele, eu num tô nem aí”, (Hiprocrita).Espera aí , se sabemos que nossos dizimos e ofertas não estão sendo usados para obra do Senhor, temos o dever de agir, Cristo nos dotou de inteligência, não precisa descer um anjo para atuar; agora, as coisas que não estamos vendom ou sabendo, cabe a Deus. Temos que ter zelo com as coisas do Senhor.

  4. Concordo Plenamente com seu Ponto de vista o Dizimo e uma questão de Fé e só entende quem e Espiritual quem não é não entende e outra coisa como a Obra sera Mantida sem os Dízimos do Povo de Deus sou Dizimista Fiel e só posso dizer que e Benção sem Medidas te Amo meu Deus !!!!!!!

    1. Amigo muitas igrejas tem feito exatamente o que muitos políticos fazem, o dinheiro do Brasil não é para politicos ficarem ricos, é para saúde, educação e outros projetos, mas eles deviam este dinheiro para seu uso próprio. Na igreja acontece a mesma coisa, o dinheiro não é mais para o pobre viúva e órfão, com a desculpa que é para o reino de Deus constroem templos que são casas de comércio enquanto que o pobre passa fome.

  5. Parabéns Pastor Hernandes Dias Lopes, pela sua matéria!
    O dízimo é bíblico e não podemos negar, visto que existe ampla instruções contidas na Palavra de Deus, que, evidentemente, quando assimiladas e aprendidas, mobiliza a nossa fé, no entanto, para que isso aconteça, torna-se necessário, aquele que serve a Deus abrir o coração de verdade.
    Porém, infelizmente, os céticos, avarentos e infiéis, por falta de entendimento bíblico, falta de visão espiritual, e por manterem o coração fechado, não conseguem ver as providências de Deus na vida daqueles que são fiéis dizimistas. Vejamos o que Paulo ensina a Igreja de Corintos, referente a avareza – (1 Co 6:10) “nem ladrões, nem AVARENTOS, nem bêbados, nem maldizentes, nem roubadores herdarão o reino de Deus”. Pensem nisso!

  6. CESAR ALONSO CARRERA

    O Senhor Jesus disse ainda que se a nossa justiça não excedesse à dos escribas e fariseus não teríamos salvação; portanto, se eles entregavam o dízimo de tudo, devemos entregar muito além do dízimo, que são as ofertas e tudo aquilo que o Senhor Jesus colocar em nosso coração, porque assim diz a escritura, que cada um contribua com aquilo que sentir em seu coração, e que o faça com alegria para a glória do Senhor Jesus (II Coríntios 9: 7).
    Deixar de dar o dízimo não implica em deixar de contribuir; portanto, não coloque limites para aquilo que Deus exige de você, porque o amor de Deus não experimentou limites para nos dar a salvação.
    Que Deus nos abençoe agora e sempre, e que possamos sempre ouvir a Sua voz em nossos corações, e obedecê-la. Amém.

  7. CESAR ALONSO CARRERA

    O PASTOR que não consegue seguir com a OBRA DE DEUS em sua igreja, nos dias atuais, sem A PRATICA DA COBRANÇA DO DÍZIMO. Só tem uma resposta. A Igreja que ele pastoreia, não é do PLANO DE DEUS, e não é da vontade de DEUS, pois se fosse de fato uma CASA DE ORAÇÃO como diz DEUS em sua PALAVRA, DEUS mesmo SUPRE a sua CASA DE ORAÇÃO de todas as NECESSIDADES, pelas OFERTAS DE AMOR de suas próprias OVELHAS. Ao que ganhe mais ELE DEUS coloca no coração OFERTAR MAIS. Ao que ganhe menos ELE DEUS coloca no coração, OFERTAR MENOS. E a ninguém, nem ao que ganha MAIS, e nem ao que ganhe MENOS, e nem a CASA DE ORAÇÃO, faltará coisa alguma. DEUS é o DONO DO OURO E DA PRATA. Alguém DUVIDA disso? Hoje igrejas as atuais igrejas, são abertas aos montões, a cada esquina abre-se uma, mais será que a FINALIDADE é a SALVAÇÃO DAS ALMAS, ou a finalidade é só o LUCRO FÁCIL. MEDITEM NISSO. DEUS não se deixa escarnecer.
    Meu email. alonsocarrera@hotmail.com

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *