Quando a heresia ataca a igreja

INTRODUÇÃO

1. O apóstolo João está fazendo nesta carta uma distinção entre o verdadeiro crente e o falso crente. Para isto, ele criou três provas: a) A prova moral (2:6); b) A prova social (2:10) e a prova doutrinária (2:23).

2. A heresia tem solapado as igrejas hoje. Muitas pessoas dizem que não importa o que você crê, o importante é ser sincero. Mas é a sinceridade um ingrediente mágico que transforma o falso em verdadeiro? Se isso pode ser aplicado no campo religioso, deveria também ser válido em outras áreas da vida.

3. Exemplos: 1) Uma enfermeira – dá um remédio para um paciente e logo ele começa a passar a mal. A enfermeira é sincera, mas o remédio está errado e o paciente quase morre. 2) Um homem escuta um barulho dentro de casa durante a noite – e certo de que é um ladrão, levanta-se, pega o seu revólver e atira e descobre que é a sua filha que havia perdido o sono e estava andando dentro de casa para encontrar alguma coisa para comer.

4. O apóstolo João já havia advertido a igreja sobre o conflito entre luz e trevas (1:5-2:6) e entre amor e ódio (2:7-17). Agora, João os adverte sobre o terceiro conflito: o conflito entre verdade e erro. Não é suficiente ao cristão andar na luz e no amor, ele deve também andar na verdade.

I. UMA CLARA DISTINÇÃO ENTRE OS HEREGES E OS CRISTÃOS GENUÍNOS – V. 18-21

1. Já estamos vivendo a última hora – v. 18
• João é enfático em afirmar que vivemos a última hora (v. 18). A era por vir já tinha vindo. O futuro já tinha chegado. Estavamos vivendo a escatologia antecipada. Uma nova realidade já foi implantada. O mundo e as trevas já estavam passando (2:8; 2:17).
• Desde a morte e ressurreição de Cristo que Deus está fazendo coisa nova neste mundo. O tempo do fim chegou com Cristo. A era messiânica já foi inaugurada com Cristo. O tempo do fim é o tempo que vai da primeira à segunda vinda de Cristo. Aquele que está além e acima do tempo, não trabalha no tempo humano. Para ele, mil anos são como um dia.
• “A última hora” descreve um tipo de tempo e não uma duração de tempo. Os últimos tempos são descritos em 1 Timóteo 4. O apóstolo Paulo, como o apóstolo João, observou características do seu tempo e nós vemos as mesmas características hoje em intensidade ainda maior.
• Nós estamos vivendo sempre nos últimos dias. Ainda é “a ultima hora”, a hora da oposição final a Cristo. Embora possa haver ainda um tempo especial de tribulação antes do desenlace, toda a era cristã consiste da “grande tribulação”, pela qual todos os remidos têmque pasar. Ainda esperamos o fim.

2. O espírito do anticristo já está operando no mundo – v. 18
• A palavra anticristo só aparece nas epístolas de João (1 Jo 2:18, 22; 4:3; 2 Jo 7), mas o conceito se acha em outros lugares.
• A palavra anticristo tem dois significados: “contra” e “em lugar de”. O anticristo é aquele que imita e também se opõe. O anticristo é o adversário de Cristo ou que procura ocupar o lugar de Cristo. O espírito do anticristo está por trás de toda doutrina falsa e por trás de qualquer prática religiosa que tome o lugar de Cristo.
• O aparecimento do anticristo é um sinal claro do tempo do fim (2 Ts 2:7-12; Ap 13:1-10). Mas o espírito do anticristo já está em ação no mundo (1 Jo 4:3). Os muitos anticristos são precursores do que ainda há de vir. Assim como Cristo é a encarnação de Deus, o anticristo será uma espécie de encarnação do diabo.

3. Os anticristos saem de dentro da própria igreja – v. 19
• Os muitos anticristos que já vieram (em contraste com o anticristo que virá) são identificados como mestres humanos que abandonaram a igreja (Mt 24:5; Mc 13:6; At 20:29-30).
• Com a sua deserção deram clara prova do seu verdadeiro caráter. A saída foi o seu desmascaramento. O que é fingimento não pode parmanecer oculto para sempre.
• Esse verso 19 lança luz sobre duas gloriosas doutrinas: a perseverança dos santos e a natureza da igreja. A constância é uma marca dos salvos. Os que caem e deixam a igreja total e finalmente, nunca dela fizeram parte. Nem todos os membros comungantes da igreja, professos e batizados, são necessariamente membros de Cristo. Somente o Senhor conhece os que lhe pertencem (2 Tm 2:19). Nem todos os que estão na igreja realmente pertencem à igreja. C. H. Dodd diz: “O pertencer à igreja não garante que um homem pertença a Cristo e não ao anticristo.” Nem todos os descendentes de Israel são israelitas.

4. Os verdadeiros crentes tem duas marcas claras: crisma e conhecimento – v. 20-21
• A proteção contra o anticristo está no “chrisma” que eles tinham recebido. No Antigo Testamento os sacerdotes, os reis e os profetas eram ungidos e separados por Deus para um ministério especial. Nós fomos selados com o Espírito Santo como propriedade exclusiva de Deus. Temos o selo de Deus (Ef 4:30; Ap 9:4).
• O propósito de João não é comunicar um novo conhecimento, mas conduzi-los a um uso dinâmico do conhecimento que já possuem. O que eles precisavam não é uma nova verdade, mas por em práticas em suas vidas a verdade que já conheciam. Temos o conhecimento verdadeiro: conhecimento doutrinário da verdade e comunhão com aquele que é a verdade. O verdadeiro conhecimento não é o esotérico dos gnósticos, mas o conhecimento do Deus vivo. Devemos permanecer na doutrina de Cristo e não ultrapassá-la (2 Jo 9).

II. A NATUREZA E O EFEITO DA HERESIA – V. 22-23

1. A mentira por excelência é a negação da messianidade de Cristo – v. 22
• Para o apóstolo João não tem meio termo quando se trata de doutrina. É verdade ou mentira (2:21). João já havia falado sobre duas mentiras básicas dos hereges: 1) É mentiroso aquele que diz que tem comunhão com Deus e anda nas trevas (1:6); 2) É mentiroso aquele que diz que conhece a Deus, mas não guarda os seus mandamentos (2:4); 3) É mentiro por excelência aquele que nega que Jesus é o Cristo (2:22).
• A teologia dos hereges não é apenas defeituosa, mas diabólica (4:3; 2 Jo 7). A natureza diabólica da heresia é negar a encarnação, a morte, a ressurreição e a obra expiatória de Cristo.

2. O efeito da heresia é a consequente negação do próprio Pai – v. 23
• Tendo posto a descoberto a natureza da heresia, João desenvolve agora o seu temível efeito, que já mencionou no fim do verso 22. Afirma a verdade em termos absolutos e inequívocos, primeiro negativa e depois positivamente. Todo aquele que nega o Filho, esse não tem o Pai; aquele que confessa o Filho, tem igualmente o Pai (v. 23).
• O nosso relacionamento com o Pai necessariamente precisa passar pelo nosso relacionamento com o Filho. Somente o Filho pode revelar o Pai aos homens (Mt 11:27; Jo 1:18; 12:44,45; 14:6,9; 1 Jo 2:1; 1 Tm 2:5).
• Há três confissões de Jesus no Novo Testamento: 1) Jesus é o Filho de Deus – Mt 16:16; 2) Jesus é o Senhor – Fp 2:11; 3) Jesus é o Messias – 1 Jo 2:22.
• Ilustração: George Whitefield perguntou a um homem sobre a sua alma: Senhor, o que o Senhor crê? Eu creio o que a minha igreja crê. E o que a sua igreja crê? O mesmo que eu creio. E o que ambos crêem? Nós cremos na mesma coisa.
• Um falso mestre vai dizer: nós adoramos o Pai. Nós cremos em Deus Pai, muito embora, nós discordemos sobre Jesus. Mas negar o Filho é negar também o Pai.
• Ilustração: Quem tem o filho tem tudo – O pai rico que investiu toda a sua fortuna em quadros famosos. Seu filho único morreu e seu amigo mandou-lhe um retrato rabiscado do filho. O pai emuldorou-o. Leiloou os quadros. “Quem tem o filho, tem tudo”.

III. A PROTEÇÃO CONTRA A HERESIA – V. 24-29

• Duas coisas devem permanecer nos crentes verdadeiros: A Palavra (v. 24) e a Unção do Espírito (v. 27).


1. Permanecer no antigo Evangelho que ouvimos, em vez de buscar novos ensinos – v. 24

• O que ouvistes desde o princípio é o Evangelho, o ensino apostólico, a mensagem original que fora pregada. Não tinha mudado e não iria mudar. Os cristãos devem ser sempre conservadores em sua doutrina.
• A obsessão por novidades doutrinárias é um grande perigo e um sinal do espírito do anticristo que opera no mundo (2 Tm 3:1,7; 4:3).
• O propósito dos hereges e das falsas doutrinas é enganar – v. 26.
• Mas o resultado da nossa lealdade ao Filho e ao Pai e dessa comunhão com eles, é a vida eterna (2:15; 5:11-13).
• Exemplos: A proliferação de novos e estranhos ensinos dentro das igrejas

2. Permanecer na unção do Espírito que recebemos, em vez de buscar novas experiências forâneas às Escrituras – v. 27
• A Palavra é uma proteção objetiva, enquanto que a unção do Espírito é uma experiência subjetiva. Tanto a verdade quanto a unção são necessários para a continuidade na verdade. E ambos devem ser captados pessoal e interiormente. Este é o equilíbrio bíblico muito raramente preservado pelos homens. Alguns honram a Palavra e negligenciam o Espírito; outros honram o Espírito, mas negligencial a Palavra.
• É mediante essas duas antigas posses, não mediante novos ensinos ou novas experiências que permaneceremos na verdade.
• Exemplos: A proliferação da busca de novas experiências dentro das igrejas.

CONCLUSÃO

1. O apóstolo João nos dá três marcas do falso mestre que dissemina heresias na igreja:
a) Ele abandona a comunhão da igreja – v. 18,19 – Eles saíram de nosso meio, mas não eram dos nossos.
b) Ele nega a fé – v. 20-25 – A grande pergunta do Cristianismo é quem é Jesus? Um exemplo, um bom homem, um grande mestre ou ele é Deus feito carne? Os falsos mestres diziam que eles tinham um novo conhecimento e uma nova unção. Mas João rebate dizendo que os crentes é que têm o verdadeiro conhecimento e a verdadeira unção. Negar a encarnação de Cristo é negar sua morte, sua ressurreição e sua obra expiatória. É esvaziar o cristianismo. Isso é satanismo (Mt 16:23).
c) Ele tenta enganar os fiéis – v. 26-29 – Os falsos mestres são proselitistas. Eles não vão atrás dos perdidos. O alvo deles são os cristãos. Os hereges não permanecem na verdade. O segredo para não ser enganado é permanecer (2:6,10,14,17,24,27,28).

2. O apóstolo João nos diz que o verdadeiro crente é aquele que em vez de ser enganado pelos anticristos prepara-se para a segunda vinda de Cristo – v. 28-29
• Os homens reagirão à segunda vinda de Cristo de duas formas: Uns terão confiança, outros ficarão envergonhados.
• Os falsos crentes ou anticristos vão ficar envergonhados na manifestação gloriosa de Cristo em sua segunda vida.
• A única maneira de aguardar a vinda de Cristo é vivendo como ele viveu, em justiça – v. 29.
• A pessoa que professa ser um cristão, mas não vive em obediência, amor e verdade está enganado e é um enganador. Pertence não às fileiras de Cristo, mas às fileiras do anticristo e na segunda vinda de Cristo ficará envergonhada.

Rev. Hernandes Dias Lopes

Responder

Resposta

Your email address will not be published. Required fields are marked *