Reforma Protestante, uma volta às escrituras

A Reforma religiosa do século dezesseis, foi deflagrada quando o monge agostiniano, Martinho Lutero, fixou nas portas da igreja de Wittenberg, na Alemanha, as noventa e cinco teses contra as indulgências e os desmandos do papado. A Reforma não foi uma inovação na igreja, mas uma volta à doutrina dos apóstolos. Não foi um desvio de rota, mas uma volta às Escrituras. A Reforma colocou a igreja de volta nos trilhos da verdade. Quais foram as grandes ênfases da Reforma?

Em primeiro lugar, a singularidade das Escrituras. O conhecido Sola Scriptura, acentua que as Escrituras são a nossa única regra de fé e prática e que devemos rejeitar, peremptoriamente, qualquer doutrina que não esteja fundamentada na Palavra de Deus. Não podemos acrescentar nada às Escrituras nem retirar delas qualquer de seus ensinamentos. A Palavra de Deus é inspirada, inerrante, infalível e suficiente. Sua origem não é humana, mas divina. É inerrante quanto ao seu conteúdo, infalível quanto às suas profecias e suficiente quanto ao seu propósito. Não precisamos nem podemos acrescentar nossas experiências nem as tradições da igreja à Palavra de Deus. Não são nossas experiências que legitimam as Escrituras, mas elas é que julgam as nossas experiências.

Em segundo lugar, a singularidade da Fé. O conhecido Sola Fide, enfatiza que a salvação é recebida por meio da fé e não através das obras. Não somos aceitos por Deus por causa das nossas obras. Somos aceitos em Cristo, por causa de seus méritos, e recebemos essa salvação gratuita por meio da fé. A fé não é a causa meritória da nossa salvação, mas a causa instrumental. Não somos salvos por causa da fé, mas através da fé. A causa meritória da salvação é o sacrifício substitutivo de Cristo, enquanto a fé se apropria dos benefícios desse sacrifício. A fé é a mão estendida de um mendigo para receber o presente do Rei. Vale destacar que a fé salvadora é, também, um dom de Deus. O apóstolo Paulo é meridianamente claro a esse respeito: “Pela graça sois salvos, mediante a fé, e isso não vem de vós, é dom de Deus; não de obras, para que ninguém se glorie” (Ef 2.8,9).

Em terceiro lugar, a singularidade da graça. O conhecido Sola Gratia, destaca que não somos salvos pelas obras que fazemos para Deus, mas pela obra que Cristo fez por nós. Graça é um dom precioso concedido a alguém que não merece, mas precisa. Deus nos amou quando éramos fracos, ímpios, pecadores e inimigos. Deus nos buscou quando estávamos perdidos. Deus nos deu vida quando estávamos mortos. Atraiu-nos para ele, quando todas as inclinações da nossa carne eram inimizades contra ele. Seu amor foi incompreensível, pois sendo nós filhos da ira, ele nos amou infinitamente, e enviou-nos seu Unigênito Filho para morrer em nosso lugar, para nos adotar como filhos e nos receber em sua família, constituindo-nos filhos do seu amor. Isso é graça! Graça bendita, maravilhosa graça!

Em quarto lugar, a singularidade de Cristo. O conhecido Solus Christus, evidencia que Jesus Cristo, o Filho de Deus, é o único Mediador entre Deus e os homens. Ele é a Porta do céu, o Caminho que nos leva ao Pai. Por sua morte na cruz, rasgou o véu do santuário e abriu-nos um novo e vivo caminho para Deus. Jesus é o único Salvador e não há nenhum outro nome dado entre os homens pelo qual importa que sejamos salvos. Jesus é único Senhor do universo. Diante dele se dobra todo joelho no céu, na terra e debaixo da terra, para que toda língua confesse que ele é o Senhor para a glória de Deus Pai.

Em quinto lugar, a singularidade de Deus. O conhecido Soli Deo Gloria, destaca que tudo foi criado por Deus e existe para a glória de Deus. O fim último da nossa própria existência é glorificar a Deus e gozá-lo para sempre. O homem não é o centro do universo, Deus é. A salvação é pela graça, pela fé, para as obras, com o único propósito de que Deus seja glorificado por toda a eternidade. Diz o apóstolo Paulo: “Porque dele, por meio dele e para ele são todas as coisas”.A Deus, portanto, honra, glória e louvor, agora, e pelos séculos eternos!

9 Comentários

  • Antonio batista de sousa Posted 29 de outubro de 2012 19:34

    Sou Presbiteriano conservador , e é nesta verdade que eu também acredito e estou firmado.Obrigado por reforçar a minha fé.

    • Joel Sá Posted 22 de fevereiro de 2019 11:21

      Querido irmão Antônio, parabéns por estar firmado nesta verdade. O inimigo de Deus tem trabalhado para descaracterizar a verdade. Procure estender teus estudos sobre o sábado. Pois Ezequiel 20:20 é uma verdade inquestionável. Abraço

  • Valdir da Silva Posted 22 de novembro de 2012 22:45

    Sou crente em Cristo Jesus da Igreja Presbiteriana, também me firmo nestes cinco pontos da reforma, mas
    não sou conservador, pois podemos ser presbiterianos sem ser conservador.

    • Joel Sá Posted 22 de fevereiro de 2019 11:25

      Querido irmão, se o se manter na verdade bíblica, for ser conservador, sou conservador. Querido estude sobre o sábado…leia Ezequiel 20:20

  • Valdir da Silva Posted 24 de novembro de 2012 18:05

    Igreja Reformada sempre reformando, esse é o lema da reforma.

  • Jalmo Meneses Posted 30 de novembro de 2012 18:14

    Sou assembleiano calvinista e também creio nessa grande verdade!!

  • João Emiliano Martins Neto Posted 15 de dezembro de 2012 5:23

    Destacaria um dos lemas da Reforma, o “Solus Christus” que foi a busca pelos reformadores de uma maior independência da Teologia em relação ao trivium e o quatrivium medieval que eram sem dúvida alguma um tesouro cultural, mas assoberbavam de tarefas as mentes dos seminaristas e futuros padres com considerações muito além da graça, misericórdia, paz e salvação que só Cristo, por meio da Bíblia (e somente da mesma) pode nos dar. Lutero dizia nas “Conversações à mesa” que um dos escolásticos são Boaventura o deixavam surdo com tanta cultura a qual faz mais juz ao pontecial humano do que o ato puro que é Deus que é tudo em todos.

    Viva a Reforma!

    Soli Deo gloria!

    JOÃO EMILIANO MARTINS NETO

  • Marcelo Tavares Posted 10 de janeiro de 2013 11:33

    Sou um servo de Deus, e dou glórias e aleluias ao Senhor, porque ocultastes estas coisas aos grandes, mais a revelaste aos pequeninos. A Deus toda a honra, glória e louvor por usar homens cheios do Espírito Santo para proclamar a verdade que está contida nas escrituras sagradas.

  • Nelson M. Tokai Posted 5 de fevereiro de 2013 15:48

    A salvação é presente de Deus para nós que
    não merecemos, mas nosso Deus tem um amor
    tão inexplicável que nos concedeu esta graça.

Responder

Resposta

Your email address will not be published. Required fields are marked *