SETEMBRO AMARELO, NÃO ULTRAPASSE!

            O suicídio é uma amarga realidade, presente em todos os estratos sociais, em todos os segmentos religiosos e em todas as faixas etárias. Mais pessoas se matam do que são mortas. Há mais suicídios no mundo do que assassinatos. As estatísticas, muitas vezes, escondem a enormidade desse drama. A política de ocultar os dados alarmantes, com o propósito de não incentivar o suicídio, acabam ocultando da população a gravidade do problema. Melhor do que maquiar a realidade é lidar honestamente com o problema, buscando formas de preveni-lo. A prevenção é o melhor caminho para enfrentar esse drama social. Destaco aqui três aspectos importantes no enfrentamento do suicídio.

            Em primeiro lugar, as principais causas do suicídio. A primeira atitude que precisamos ter para lidarmos com o suicídio é saber quais são suas causas. É sabido que a depressão é a principal razão que leva uma pessoa a ceifar sua própria vida. A depressão é uma doença que desencadeia outras enfermidades. Segundo Andrew Solomon, depressão é como um indivíduo engolir seu próprio funeral. É como vestir uma roupa de madeira. Uma pessoa depressiva, não raro, enxerga a vida com os óculos escuros da desesperança. Sente uma dor lancinante na alma, que atordoa a mente, embaça os olhos e rouba a esperança. A depressão não pode ser encarada como opressão espiritual nem como um pecado. A depressão é uma doença que precisa ser tratada com remédio, terapia e fé. É uma atitude cruel acrescentar mais fardos de culpa àqueles que já estão gemendo debaixo do rolo compressor desse mal. Se essa doença não for devidamente diagnosticada e tratada, ela pode levar a pessoa a entrar num túnel sem volta. Outras causas podem levar um indivíduo ao suicídio, como problemas passionais, divórcio, crises financeiras, doenças incuráveis, drogas, desvios sexuais e radicalismo religioso.

            Em segundo lugar, os principais mitos sobre o suicídio. Dentre os vários mitos sobre o suicídio gostaria de elencar três: O primeiro mito é pensar que “cachorro que late não morde”, ou seja, a pessoa que fala em se matar, jamais vai fazê-lo. Cerca de oitenta por cento das pessoas que tiraram sua própria vida, deram sinais de que pretendiam fazê-lo. Na verdade, essas pessoas não querem tirar sua vida; querem matar a dor que as atormentam. Estão dando um grito de socorro. O segundo mito é afirmar que se uma pessoa intenta cometer suicídio, vai acabar praticando esse ato radical e nada se pode fazer para ajudá-la. A verdade dos fatos é que a vasta maioria que fala em suicídio pode e deve ser ajudada e, recebendo adequada ajuda, é demovida do assassinato de si mesma. O terceiro mito é que todo suicida é um doente mental ou um desajustado social. Inobstante a depressão ser a principal causa do suicídio, muitas pessoas cometeram suicídio planejadamente, na plena posse de suas faculdades mentais. O problema é complexo e não comporta enfrentamentos simplórios.

            Em terceiro lugar, as principais ações de prevenção contra o suicídio. O setembro amarelo é apenas um lembrete de que não podemos afrouxar nossos esforços, no sentido de prevenir essa tragédia familiar e social. A família, a igreja cristã, as ONGS e o Estado devem se unir nessa grande cruzada para salvar vidas. Devem criar mecanismos de conscientização, com tratamentos adequados, tanto medicamentosos como no uso de terapias com adequado aconselhamento. Agindo assim, podemos afastar desse caminho escorregadio muitas pessoas que flertam com a morte. Uma ação indispensável é, certamente, levar a pessoa aflita a um relacionamento pessoal com Jesus, o Filho de Deus. A fé em Cristo é indispensável para trazer esperança àqueles que vivem desassistidos de esperança. A Palavra de Deus restaura a alma e ilumina os olhos. Mesmo quando o homem chega ao seu limite, no fim da linha, no fundo do poço, sem ver uma janela de escape, com Deus ainda há esperança. Deus é poderoso para transformar os vales mais escuros em cenários iluminados, os desertos mais tórridos em pomares frutuosos, as dores mais lancinantes em fontes de consolo e o desassossego da alma mais tormentoso em paz que excede todo o entendimento.

            Rev. Hernandes Dias Lopes

3 comentários em “SETEMBRO AMARELO, NÃO ULTRAPASSE!”

  1. VILMA RIBEIRO ZANETTI

    Um assunto q deve ser falado, como alertas como este
    Vejo q mtos evitam falar desta triste realidade. Agradeço pela excelente sabedoria exposta. Deus o abençoe.

  2. Erasmo Ferreira de Lima

    Erasmo Ferreira de Lima estou precisando de ajuda por favor estou desempregado eu faço tratamento médico psiquiátrico e psicólogo no caps e tenho depressão é faço terapia no caps tenho relatório médico e tenho quê comprar medicamentos todos mês minha família mandou eu embora por causa dar minha doença eu e minha família praticamente mim virou a costas estou morando em teresina na casa quê minha mãe mim deu a e de nós quatro irmãos enquanto não vende vou morar na casa estou precisando de alimentos móveis usados e financeiramente para medicamentos todos mês por favor olhe com carinho e respondar essa mensagem urgente obrigado Deus abençoe vocês todos meus irmãos qualquer oferta e benvinda estou muito mal depois da separação eu sou presbiteriano

  3. Paz pastor Hernandes dias Lopes, moro na cidade de foz do iguaçu PR, assisto suas mensagens são abençoadora,um dia gostaria de conhecê-lo, DEUS abençoe seu ministério tem sido maravilhoso,através delas as mensagens tenho conhecido mas a pessoa do SENHOR JESUS, eu sirvo a Deus desde 1983,despejo ao senhor pastor,todas as bênção de DEUS em nome de JESUS, continuei assim um servo de Deus!!!!!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *